Exposição
10 RETRATOS, 10 ESCULTURAS
Alexandre Delmar

Sempre me interroguei sobre limites e fronteiras do retrato e da escultura. Será a visibilidade do rosto um fator preponderante na identificação do tema “retrato”? Ou a “escultura” será sempre uma qualificação dada após a mão de obra do escultor?

“A viagem iniciou-se em Delhi. Estando num país estranho, nunca me incentivou em demasia a imagem descritiva dos locais mais relevantes. A procura obstinada pelo exótico nunca me fascinou. A imagem que procurava encontrei-a sempre por todas as cidades: uma imagem específica, talvez desterritorializada, estática e refletida, por vezes, plástica. Foi uma viagem de descoberta. Tudo foi estranho e revelador. Quando cheguei, confundi retratos com esculturas.”

 

Deixe um Comentário

*