Discurso direto
Do prazer dependente da leitura.
Onésimo Teotónio Almeida

Do prazer dependente da leitura

Um escritor brasileiro, cujo nome não recordo, contava de um preso político a quem privaram de livros na cela.  Como um adicto incapaz de sobreviver sem satisfazer o seu hábito, levantava-se de noite desaurido e ia ao chuveiro ler sôfrega e repetidamente as duas letras Q F Q F Q F Q F Q F Q F do Quente-Frio.

Não estou preso, mas vivo rodeado de muros cheios de estantes pela casa toda, mais os do chão que a Leonor me pede para arrumar; só que não posso arrumá-los antes de me passear devidamente pelas suas páginas, a fim de saber onde colocá-los à espera da sua vez de serem lidos por inteiro. Receio que nunca virá esse tempo (cada dia que passa entra um novo livro aqui em casa vindo da Amazon, do correio, da livraria, de um alfarrabista ou de um amigo), mas não desisto da pretensão de ler o máximo possível de cada um antes de o arquivar numa estante.

Já escrevi sobre os livros como sendo o meu último fetichismo. E o fascínio tem durado, ao contrário de tantos outros que já se evaporaram. Não cansa. Quando me perguntam qual foi o melhor livro que li, respondo imediatamente: o próximo.

Falei de livros e não do prazer da leitura. Se calhar porque sou um glutão deles e não um verdadeiro gourmet. Garanto, porém, que o seria se soubesse que ia ter a eternidade inteira para ler. Então sim, eu gozaria esse prazer devagar, como deve ser saboreado.

 

Nasceu no Pico da Pedra, S. Miguel, Açores, no dia 18 de Dezembro de 1946. É Professor e Director do Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros da Brown University, Providence, Rhode Island, EUA. Lecciona na Brown desde 1975. Doutorado em Filosofia pela Brown University (1980), é Fellow do Wayland Collegium for Liberal Learning, um Instituto de Estudos Interdisciplinares na Brown University, onde lecciona uma cadeira sobre Valores e Mundividências.

 

Bibliografia:

  • O Centenário (1963) (poesia)
  • Esperança-21 (1969) (peça de teatro)
  • Cérebros do Grande Público (1970) (ensaio)
  • Da Vida Quotidiana na Lusalândia (1975) (estudo)
  • José Rodrigues Miguéis/Portugal in Manhattan (1983) (ensaio)
  • A Questão da Literatura Açoriana (1983) (ensaio)
  • (Sapa)teia Americana (1983) (contos)
  • Mensagem – Uma Tentativa de Reinterpretação (1987) (ensaio)
  • Açores, Açorianos e Açorianidade (1989) (ensaio)
  • Que Nome é esse, Ó Nézimo? e Outros Advérbios de Dúvida, Lisboa, (1994), Salamandra. [2ª ed. 2001]    
  • Rio Atlântico, Lisboa,Salamandra. (1997),
  • Viagens na minha era – Dia-crónicas, Lisboa, Temas e Debates. (2001),
  • Onze Prosemas (e um final merencório), (2004),
  • Livro-me do Desassossego – dia-crónicas, Lisboa, Temas e Debates. (2006),
  • Aventuras de um Nabogador &Outras estórias-em-sanduíche, Lisboa, (2007), Bertrand.

Deixe um Comentário

*