Exposição
JAZZ IMAGES
FOTOGRAFIAS DE JEAN-PIERRE LELOIR

DATAS:

26/04/2017 - 26/06/2017 Chiado

“Se a música é boa, as imagens têm que ser boas.”

“Não era apenas um fotógrafo; mais do que isso, era um guardião da história do jazz.” Quincy Jones

“Jean-Pierre Leloir era um músico, mas a escolha do seu instrumento era uma câmara, que ele nunca pôs de lado.” Michel Legrand

O jazz conheceu muitos fotógrafos, mas nenhum igual a Jean-Pierre Leloir. Especializou-se em retratar músicos em momentos de grande intimidade, inacessíveis para a maioria dos fotógrafos da época.

Aquele que é considerado o maior fotógrafo francês na área do retrato, especialmente de músicos de jazz, tinha uma habilidade rara de conquistar a confiança dos grandes artistas da época. As suas fotografias, tiradas nas décadas de 1950 e 1960, conseguem evocar preciosos sentimentos aos amantes de música.

O seu segredo? Ele mesmo o disse: “Adoro as pessoas que fotografo”.

Jean-Pierre Leloir aparece no documentário de 2001 The Miles Davis Story, onde fala na ideia de “liberdade” – a liberdade de ser e fazer sem receios, na música, como em qualquer outra forma de expressão criativa. “Sim, liberdade, respeito”, afirma claramente. “Todos eles foram aceites como músicos, mas mais importante, eram livres.”

Os músicos afro-americanos viajavam continuamente à Europa, nesta época, na procura dessa liberdade – vinham tocar jazz mas também envolver-se num ambiente livre de restrições e sombras raciais. Leloir era obstinadamente independente. Estava ferozmente dedicado a um ideal de expressão criativa e individual, observava o mundo com os seus aspectos positivos e negativos.

Enquadrou os músicos de uma maneira que honrava e comemorava o seu estatuto. Não há dúvida de que os músicos reconheceram isso em Leloir. As suas fotografias reflectem um sentimento de respeito mútuo. Quando sabiam que a objetiva estava presente, também tinham a noção do homem que estava por detrás dela.

Deixe um Comentário

*