Exposição
O Barão
Fotografias de Luís Branquinho

Estas fotografias, que ricamente ilustram o texto da obra homónima de Branquinho da Fonseca, O Barão, são fotogramas tirados diretamente do filme, sem tratamento de imagem, reproduzindo o universo cinematográfico que o realizador Edgar Pêra imaginou para o remake de um filme proibido. Em Junho de 1944, uma equipa americana de série B refugiou-se em Lisboa onde a produtora Valerie-Lewton toma contacto com O Barão e se encanta com o potencial do livro para produzir um filme “draculesco”, aliando-se a um grupo de anti-fascistas que reviam no Barão uma figura ditatorial. Filmaram discretamente numa fábrica no Barreiro. A PIDE descobriu e parou a filmagem, repatriando a equipa americana e prendendo os portugueses, alguns sucumbindo no horrível processo de tortura. O remake foi produzido pelos estúdios Cinemate com direção de fotografia do neto de Branquinho, Luís Branquinho.

O Barão é um camaleão emocional. É a contradição corporizada. Ora é um “autómato de ferro e de lata que me fazia calafrios de terror”, ora se apresenta dócil, ou irascível, um homem-javali, “uma pura besta”. Esmagava as mulheres mas defendia que “Mulher de quem a gente não tenha medo não vale nada”. Vivia um amor aprisionado, dentro e fora de si. O Barão é um Drácula decadente. Um vampiro reformado compulsivamente. O Barão denunciava o “arquétipo de uma degradação do nosso pathos colectivo”. Porque Branquinho da Fonseca era um “retratista psicológico do homem português”. Retratista universal, aliás. A persona patética e medieval do Tirano, do Cacique Caprichoso, persiste, globalizada. E o grito marialva do Barão ainda ecoa nos lares das sociedades hodiernas. Sentado na sua poltrona, o Chefe de Família é um homem frustrado, desrealizado, sem amor nem esperança. Para Branquinho da Fonseca é o “duplo que há em nós, de violência de combate, contra os desacertos da vida.” Um ser complexo, quixotesco e mesquinho. Branquinho não caricaturava. O Barão é uma caricatura de si mesmo. Teatro moribundo.

“Quem manda aqui sou eu!” vocifera o Barão, pressentindo a sua queda iminente. O Inspector-
-Narrador é o Espetador Involuntário. É o mundo à espera da mudança. “Quem manda aqui sou eu!” teima o Barão.

Edgar Pêra in Prefácio, edição extraordinária de O Barão.

Deixe um Comentário

*