Novos Talentos FNAC Literatura 2002
O Desenhador
Fátima Pombo

Extravagância do desejo e o seu poder cego são limitados pela sombra do amor e do medo. As personagens desta história vivem a dificuldade de escolher qual a prioridade desses sentimentos e, é nesse conflito, que se vai definindo o destino delas.

Malena, ao pensar que lhe era possível conciliar todas as contradições, fica presa numa teia apertada e, nessa circunstância, atrai a si, mesmo os mais resistentes, obrigando-os a suportar o peso da decisão.

Uma perda irreparável é geradora de perplexidades, que suspendem a espiral da vida de Malena, forçando-a a constatar que a voragem da sensação de plenitude é ilusória. Se as cartas recebidas de uma cidade distante amaciam as incertezas, é a música, como presença constante na vida destes personagens, que se assume como a matéria que sobra da ilusão.

O Desenhador reflecte a condição de mentira do desenho dos outros e de si próprio e da impossibilidade de não o fazer, quando se fala, se pensa ou se sente.